Refletindo sobre os mitos do franchising

"Franquia é garantia de sucesso e não apresenta riscos". "Abrindo uma franquia, a chance de enriquecer é muito grande". "O franqueador sabe tudo, ele é o dono da marca." "O Franqueado precisa, apenas, seguir o que ele diz”. Estes são alguns dos mitos que permeiam o sistema de franchising e que gostaria de comentar neste post.

Uma franquia é um negócio próprio – ainda que o franqueado trabalhe com uma marca já conhecida ou reconhecida e tenha um apoio de um importante parceiro. Tem de trabalhar muito, se esforçar, dedicar-se porque o resultado não vem fácil. O franqueador não é um patrão; franquia não é emprego. Sem comprometimento , colaboração e ação, não haverá resultados satisfatórios. Portanto, adquirindo uma franquia, o franqueado não  trabalhará  menos e nem terá a garantia de sucesso financeiro.

O sistema de franchising deixou de ser vertical. Hoje ele é horizontal, interativo, colaborativo e compartilhado. Quem adquire uma franquia atualmente quer opinar, participar, questionar. Já conhece bem o sistema e não aceita ordens de cima para baixo. Todo franqueado quer um franqueador admirável, confiável e bom ouvinte. Isso demonstra que o franqueador não é senhor da verdade absoluta e nem sempre sabe tudo porque é o dono da marca. Franqueados precisam compartilhar dos mesmos valores e imagem da marca. Eles podem, inclusive, ajudar – e muito – a definir os rumos da rede.

Nenhuma franquia atinge um patamar de sucesso se não possuir uma rede de franqueados qualificados, antenados, dedicados e agregadores.  O trabalho junto ao mercado consumidor é exaustivo, permanente e desgastante. Trabalhar para satisfazer o consumidor requer persistência, tolerância e boa-vontade. Franqueado tem que ter consciência que, para atingir o resultado desejado, deverá trabalhar muito e se dedicar sem descanso para o crescimento da sua franquia. A franquia não é um negócio que não apresenta risco. Uma marca não anda sozinha. E o franqueado de hoje precisa mais do que nunca atuar como empreendedor do seu negócio e não apenas como empresário 

A grande maioria dos candidatos a franquia acha que pode atuar em uma rede sem qualquer talento ou aptidão. Analisam superficialmente o negócio franqueado, não refletem sobre seu próprio perfil e muito menos se aprofundam na essência da franquia. O resultado é desastroso. O treinamento oferecido pelo franqueador não substitui, de forma alguma, os talentos e aptidões inatos do candidato. Treinamento de franqueado não faz milagre se o individuo não se identifica principalmente com a operação e com o produto ou serviço franqueado. Não temos como fugir da seguinte regra: apenas alcançamos a excelência quando fazemos o que gostamos, com paixão e vontade.  O franqueado precisa gostar do que faz, caso contrário, o trabalho – que não é pouco – será um fardo!

Infelizmente, além destes mitos, ainda há muita desinformação. O sistema evoluiu, ainda evolui, e precisa ser revisto e repensado o tempo todo. Tudo isso para dar conta dos desafios do mercado e dos anseios da cadeia, especialmente franqueador e franqueados.