Por que eu insisto na Mediação

22fev19.jpg

 

Eu falo muito sobre Mediação. Sou uma das maiores defensoras da adoção das formas não-adversariais de resolução de conflitos nas redes franqueadas. Já ouvi pessoas dizendo que a Mediação não tem futuro, que a Justiça Comum é indispensável e eu até concordo que, em alguns momentos, o Direito Contencioso tem de se fazer valer. Porém, antes de chegarmos à disputa judicial, por que não realizar o preventivo?

A ideia de ter uma rede franqueada é a de ver uma marca disseminada em muitas localidades. Municípios, estados, países, quem sabe onde bons produtos e serviços, aliados a uma marca forte, sólida, consolidada, representada por franqueados de peso, podem chegar? Esse é o sonho do franqueador, que deve ser sonhado por seus franqueados e colaboradores, para que todos tenham sucesso. Porém, quando algo dá errado, quando o relacionamento vai mal, a rede toda dá um passo para trás. Então, por que não mediar, de maneira que esse problema se resolva e o relacionamento possa continuar a existir, com todos voltando a caminhar no sentido que desejaram anteriormente – e juntos?

A principal intenção da Mediação é fazer com que as partes cheguem a uma decisão para a contenda juntas, de maneira que ninguém se sinta perdendo. A solução é construída pelas partes, em conjunto, apenas apoiadas pelo mediador. Quando isso acontece, não restam sentimentos negativos, porque ambos deram o melhor de si e ficaram satisfeitos com o resultado – ninguém tem o sentimento de perda. A Mediação pode ser feita internamente, com um Mediador capacitado, sem a necessidade de envolvimento da Justiça. É um processo rápido, que precisa muito mais da boa vontade das partes do que de recursos financeiros.

Eu continuarei defendendo a Mediação. Esse é um método em que eu realmente acredito e que aplico com sucesso. Sei que meus clientes, depois de passarem pelo processo, reconhecem seus efeitos positivos e também viram adeptos dele. Primeiro, porque uma vez que o franqueador disponibiliza seu tempo e energia para resolver um conflito pela Mediação, ele alcança uma evolução como líder, com custo muito baixo e em curtíssimo prazo de tempo – para se ter ideia, processos que chegam a demorar oito anos são resolvidos em algumas sessões de Mediação, com custos baixíssimos. Depois, porque a relação de franquia continua e, na maioria das vezes, muito mais sólida. Eu recomendo às franqueadoras que tentem, ao menos algumas vezes, resolver seus conflitos usando a Mediação: certamente, elas terão tão boa impressão dessa alternativa quanto eu tenho.